sábado, 13 de abril de 2013

REPELENTES- A FÓRMULA QUE DÁ ARREPIOS!


OLÁ PESSOAL!
Todo mundo conhece repelentes, principalmente o chamado "OFF".
Então resolvi procurar quais as substancias que compõe o dito cujo e fiquei PASMA!
Agora pasmem voces ao lerem a reportagem da Superinteressante:
CONTÉM REDUTOR DE PUM E REMÉDIO PARA ESPINHAS!
Besunte a pele com sal, silicone e remédio para espinhas: essa é a receita do repelente Off!, capaz de desbaratinar até flatulência
por Renata Mauro
O ANTIPUM - Dimeticone
O arqui-inimigo dos gases intestinais, a seu dispor. Um óleo sintético, o intrépido dimeticone é a arma dos remédios contra flatulência - dá uma desinflada nos puns que se formam na barriga. É um parente de outro óleo, esse com função menos underground: o silicone usado para preencher seios. No repelente, o dimeticone não infla nem desinfla nada. Serve para deixar a loção repelente mais fluida e suave ao nosso tato.


O CARRASCO - Dietiltoluamida
Insetos, tremei! O DEET, como esse composto químico é mais conhecido, faz mosquitos, carrapatos e afins passar fome. Como? A explicação mais aceita é que o DEET bloqueia os sentidos dos bichos e os impede de localizar alimento (nosso sangue). Outra linha de estudos diz que o DEET tem um bodum que afasta os insetos - ao nosso olfato, o odor seria menos intenso. Nós também podemos sofrer com o DEET: usado em excesso, irrita a pele.



A VASELINA - Petrolatum
Pode chamar de vaselina mesmo. A conhecida propriedade escorregadia desse derivado do petróleo faz com que o repelente deslize melhor quando o aplicamos no corpo. Também cria uma película na pele, evitando que ela perca água e fique desidratada.


O CUPIDO - Álcool cetílico
Água e óleo não se misturam, certo? Errado. Esse álcool graxo dá conta de juntar os dois. O resultado desse casamento é um creme mais consistente - sem a união, a fórmula se desmancharia na mão. O álcool cetílico também dá a cor branca do repelente. Tirado de gordura animal ou de vegetais, pode ser encontrado ainda em bronzeadores.

A MILAGREIRA - Aloe veraSabe a babosa? Aquela que muitos usam para hidratar as madeixas? Taí. Mas a indústria parece ter achado aloe vera um nome mais bonito para vender cosmético. Essa planta é vista como milagrosa por muitos naturebas, que a consideram remédio para tudo - até para espinhas. Aqui, só deixa uma sensação de frescor quando passamos o repelente na pele.



O TEMPERO - Cloreto de sódio
É o mesmo sal que dá graça a sua comida. Mas no repelente funciona como um pacificador - une todos os ingredientes da fórmula numa massa homogênea. O cloreto de sódio também aparece em sabonetes líquidos e xampus. (Atenção, Off! não serve para temperar a salada.) Fórmula química- NaCl-

 
Ingredientes da versão Off! Family
Fontes Carlos Andrade, professor de biologia da Unicamp; Eraldo Lima, entomologista da UFV; Jadir Nunes, professor de tecnologia de cosméticos das Faculdades Oswaldo Cruz; Sávio Barbosa, farmacêutico da Universidade Metodista; Vânia Leite, professora de farmácia da Universidade Anhembi-Morumbi; Walter Leal, professor de entomologia da Universidade da Califórnia. A Ceras Johnson, fabricante, não se pronunciou.
 Atenção: a parte descritiva e pesquisa foi feita pelo pessoal. da SUPER, mas as figuras inseridas são meus complementos para a matéria em pauta!


quinta-feira, 11 de abril de 2013

BOCÃO DE ANGELINA JOLIE- O QUE TEM NO SILICONE?

OLÁ PESSOAL!!!!!
Então, vamos olhar esse silicone com mais atenção?
Aplicar nos lábios e ficar com aquele bocão, nem sempre é garantia de sucesso...
Muitas vezes fica com " boca de pato" e isso só vai resolver com cirurgia!
Aí vai a reportagem, da revista "Superinteressante"

SILICONE DE BOCA E DETONADOR JUNTOS!
por Suzanna Ferreira
O silicone de boca - Polimetilmetacrilato (PMMA)
Um plástico que transforma qualquer mulher em Angelina Jolie - é usado em clínicas de estética para preenchimento labial (ou seja, para dar uma inflada nos lábios). Dentistas também usam o PMMA para fazer dentes provisórios. No esmalte, serve como liga: garante que os outros ingredientes se misturem. Por causa dele, o esmalte não escorre na unha.

A bateria - Esteralcônio de hectorita
Bateria de celular e laptops. Ou melhor: um minério de onde é tirado o lítio, que dá energia a essas baterias. Triturado, o esteralcônio é usado em forma de pó no esmalte, e assim vira uma espécie de cola para essa fórmula. Em contato com a temperatura da mão (que geralmente chega a 35 graus), ele provoca a evaporação dos solventes usados na fórmula (como acetona). Sinsalabim, a mágica está feita: o esmalte se fixa nas unhas.

O queima-filme - Nitrocelulose
Chame de algodão- pólvora. Esse é o apelido da nitrocelulose, sintetizada da celulose. Parece um pedaço de algodão e explode fácil. Por isso, deixou de ser usada nos filmes rodados em película, nos anos 50. Hoje serve de detonador de explosivos. E trabalha no esmalte para transformar a mistura em um filme plástico e maleável, que cobre as unhas. (Sem explodir: outros ingredientes neutralizam o explosivo.)

O chinelo - Copolímero de etileno
Tem chinelo de dedo em casa? É provável que ele seja feito deste plástico aqui. Nos chinelos, o copolímero de etileno costuma aparecer para enrijecer o solado. É uma boa estratégia: o copolímero é mais barato e leve do que a borracha natural. Nas unhas, é ele quem garante que o filme criado pelo esmalte não vai sair despedaçando por aí. Graças a essa resistência que o copolímero dà à mistura, o esmalte geralmente sai da unha em grandes lascas.

O preservativo - Poliuretano
Alergia a látex? Chama o poliuretano! O plástico substitui o látex em produtos como preservativos especiais para alérgicos. É encontrado ainda em colchões e sofás, como matéria-prima da espuma, por ser barato. Tem grande missão no esmalte: integrar os pigmentos ao resto da fórmula. Por serem insolúveis, os pigmentos decantariam sem o poliuretano, indo para o fundo do potinho.


Fontes Vânia R. Leite e Silva, professora de cosmetologia da Unifesp e diretora da Associação Brasileira de Cosmetologia; Fernanda Garcia Peralta; cosmetologa especialista em esmaltes; Vera Issac, farmacêutica e professora da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Unesp; Juarez Souza de Oliveira, professor de engenharia química e tecnologia orgânica da UFPR; André Luis Bacelar, professor de química orgânica da UFS; Wagner Polito, professor do Instituto de Quimica da USP São Carlos.

segunda-feira, 8 de abril de 2013

TRANSPLANTE DE FEZES

OLÁ PESSOAL! TUDO BEM?
Não surtei! É isso mesmo que vocês leram! Essa técnica está sendo usada com sucesso para a cura de doentes com diarréia constante.
Apesar de parecer estranho, o transplante é a única alternativa de cura para pacientes com colite pseudo membranosa, que pode levar á desidratação e até infecção generalizada.Esse tipo de colite é causada ´por uma bactéria que já habita o intestino, mas costuma não incomodar porque há outras que dão um equilíbrio natural.
Mas a ingestão contínua de antibióticos de largo espectro, matam as outras bactérias e essa vai ficando, por ser resistente, ocasionando o desequilíbrio e as diarréias.
O processo de " repovoar" a flora intestinal é feita em etapas.
1- Consiste na utilização de fezes frescas com no máximo 4 horas e são necessários dois doadores.
2- As fezes são misturadas com meio litro de soro fisiológico e centrifugadas.A parte sólida é descartada e os médicos usam a parte líquida no procedimento.
3- Com o paciente sedado, o conteúdo é aplicado por meio de endoscopia, direto no jejuno, para evitar refluxos.
4- Assim as bactérias presentes nas fezes saudáveis, vão repovoar toda a flora intestinal do paciente. Em cerca de 3 dias, ele volta a produzir um bolo fecal normalmente.

                        
ESQUEMA DE COMO É FEITO O TRANSPLANTE DE FEZES                








Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Fazendo a vida ser interessante