sexta-feira, 21 de agosto de 2015

A QUÍMICA DOS ALIMENTOS

ALÔ PESSOAL!
Acabei de ler um artigo muito interessante sobre os alimentos industrializados.
Aqui está o o artigo para voces:


química e derivados, química nos alimentos, IYC 2011



A indústria de alimentos experimentou um grande avanço depois da Segunda Guerra Mundial (1939-45), com a entrada no mercado dos produtos instantâneos. A nova opção alimentar se ajustou às necessidades da sociedade, cujo ritmo de atividades econômicas foi se acelerando, enquanto se reduziu drasticamente o tempo disponível das famílias para o preparo da alimentação.
A expansão dessa indústria se apoiou no aprimoramento e no desenvolvimento de técnicas de desidratação, congelamento e higienização, entre outras. A criação de novas embalagens também contribuiu para garantir prazos de validade cada vez maiores. As técnicas de embalagem a vácuo, por exemplo, permitem conservar muitos alimentos industrializados sem refrigeração.
“A dificuldade que as pessoas têm de preparar o seu próprio alimento no dia a dia, principalmente pelo pouco tempo disponível para a alimentação, ou pela distância entre o trabalho e a residência, faz com que, cada vez mais, os alimentos industrializados ganhem espaço nas refeições diárias”, observa Paulo Roberto Nogueira Carvalho, do Ital.
O uso de produtos químicos foi fundamental na evolução da indústria de alimentos, principalmente pela descoberta de novos ingredientes como os aromas, corantes, conservantes, ou mesmo pela possibilidade de devolver aos alimentos alguns dos nutrientes essenciais perdidos nos processos produtivos, como as vitaminas e minerais.
Carvalho acrescenta que a cor presente em grande parte dos alimentos industrializados atuais, os aromas e, muitas vezes, até mesmo o sabor são intensificados pela adição de substâncias químicas. “Muitos alimentos só conseguem ser comercializados com segurança quando são artificialmente conservados por produtos químicos adicionados durante a fabricação. Mesmo quando não utilizados diretamente nos alimentos, os produtos químicos apresentam enorme importância na sanitização dos locais onde esses alimentos são produzidos”, explica.
Os ensaios químicos utilizados no controle de qualidade dos alimentos são cada vez mais sensíveis, detectando níveis que há algum tempo não eram possíveis de serem quantificados. “Essa sensibilidade se deve não só à evolução dos instrumentos analíticos, que se tornaram mais sensíveis, como também ao uso de reagentes químicos de alta pureza, que não interferem nos resultados desses ensaios. As análises químicas de controle de qualidade dos alimentos tornaram-se também mais abrangentes, dando respaldo à vigilância sanitária nos diversos aspectos da segurança alimentar”, comenta Carvalho.
Química e Derivados - Tabela - Onde estão os químicos nos alimentos
Tabela – Onde estão os químicos nos alimentos –
Na opinião de Machado, da Ajinomoto Interamericana, o controle de qualidade da indústria de alimentos avalia constantemente vários parâmetros para garantir segurança para os consumidores. “Entre vários exemplos, podemos citar a pureza dos aditivos, a quantificação de possíveis contaminantes danosos à saúde e a contagem microbiológica”, diz.
A pesquisa em alimentos envolve um trabalho especializado, em decorrência do amplo campo de atuação dos pesquisadores nessa área. No controle de qualidade, procura-se desenvolver novos métodos de análises que possam detectar uma determinada substância presente em níveis baixíssimos em uma matriz tão complexa como os alimentos. A busca por substâncias naturais ou processos que possam eliminar ou substituir os aditivos artificiais ainda utilizados em alimentos também é objeto de pesquisadores especializados. “Os profissionais químicos são, portanto, fundamentais para a inovação na ciência e na tecnologia dos alimentos”, arremata Carvalho.
Para Machado, “esses profissionais contribuem para o desenvolvimento de produtos que satisfaçam ao consumidor e que sejam rentáveis para a indústria”. Além disso, “são muito importantes para a indústria realizar análises de controle com resultados rápidos e confiáveis, a fim de não comprometer a rotina da produção/expedição dos alimentos”.
Basicamente, a indústria de alimentos abrange duas áreas: alimentos naturais e industrializados. Os naturais não passam por transformações ou sofrem apenas pequenas modificações. São os concentrados, secos, desidratados, resfriados e congelados. Já os industrializados sofrem grandes modificações – pasteurização, esterilização, salga e defumação – ou são transformados, como os fermentados, balas e caramelos, bebidas estimulantes e fermentadas, chocolates, condimentos e temperos, gelados comestíveis, gomas de mascar, derivados de leite, massas, óleos e gorduras, e produtos de confeitaria.
De acordo com estatísticas do Conselho Regional de Química – IV Região (São Paulo), a indústria de alimentos foi a quarta maior contratadora de profissionais da química no estado de São Paulo em 2010, com 2.974 pessoas trabalhando em 893 empresas. Os segmentos que mais contratam são as conservas de frutas e legumes; laticínios; massas, pães e bolos; óleos vegetais; e doces.
fonte:http://www.quimica.com.br

terça-feira, 18 de agosto de 2015

NOVOS SÍMBOLOS QUÍMICOS

ALÔ PESSOAL!!!
O mundo muda e a simbologia química muda junto, acrescentando ou atualizando símbolos já utilizados.
                                                                                                                                                        
Abaixo, uma nova simbologia aprovada pela comunidade europeia que devem estar presentes em nos frascos de produtos químicos.
Veja o significado de cada um deles:


SGH01- o produto é explosivo quando submetido ao calor, faíscas elétricas, chamas .
SGH02- produto inflamável  ao contato com chamas, faíscas, eletricidade, calor, abalos, contato com ar, água ou gases inflamáveis.
SGH03- produto comburente que pode provocar ou agravar um incêndio, podendo provocar incêndio em contato com gases inflamáveis
SGH04- gás sob pressão que pode explodir quando submetido ao calor. pode causar queimaduras quando são gases refrigerantes.
SGH05- produto corrosivo que pode atacar metais e queimaduras 
SGH06- tóxico ou mortal que pode em pequena quantidade matar rapidamente
SGH07- muito perigoso para a camada de ozônio
SGH08- muito perigoso para a saúde, pode provocar câncer, modificar o DNA, pode influenciar na fertilidade e na formação do feto, pode morrer em caso de ingestão ou penetrar nas vias respiratórias, pode provocar dificuldades respiratórias ou alergias como asma.
SGH09- perigoso para a vida aquática, porque polui e provoca efeitos a curto ou longo prazo sobre os organismos do meio aquático, comprometendo o ecossistema






novos símbolos para produtos químicos





No caso da acetona, a correta embalagem deverá conter os seguintes alertas:
ACETONA
PERIGO
Líquido e vapores altamente inflamáveis
Provoca irritação ocular grave
Pode causar sonolência e tontura
A exposição repetida pode causar secura da pele ou rachaduras da pele
Manter fora do alcance das crianças
Manter afastado do calor / faísca / chama aberta / superfícies quentes
Proibido fumar
Use somente ao ar livre ou em áreas bem ventiladas
SE NOS OLHOS: Lavar cuidadosamente com água durante vários minutos .
 Retirar as lentes de contato , se a porta vítima e se eles podem ser facilmente removidos - continue lavando
Caso a irritação ocular persista: consulte um médico
Os símbolos usados serão:
 SGH02 e SGH07
maiores informações:

o texto original se encontra em francês e a tradução foi feita pelo XQUIMICA

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Fazendo a vida ser interessante