sábado, 12 de outubro de 2013

BÓSON DE HIGGS E O AZUL

ALÔ PESSOAL!!!!
Bom dia das crianças a todos!
E não é que o Sheldon Cooper tinha razão?
Higgs ganhou o premio Nobel da Física pela descoberta da partícula de Deus, o bóson.
Leia o texto abaixo e veja onde nasce a especulação....
 


A ciência do azul
Ao tomar conhecimento de que ganhara metade do Prêmio Nobel em Física deste ano, o britânico Peter Higgs saiu em defesa do conhecimento puro: "Espero que esse reconhecimento da ciência fundamental ajude a chamar a atenção para o valor da pesquisa básica".
Higgs, cujo nome batiza a última partícula fundamental da matéria prevista no Modelo Padrão a ser detectada, em julho de 2012, empregou na realidade a expressão inglesa "blue-sky research" (pesquisa de céu azul). Vale dizer, a investigação científica que volta os olhos para o que não tem aplicação imediata --como o azul do céu.
O chamado bóson de Higgs atravessou quase meio século como simples construção teórica. Higgs e o belga François Englert foram os primeiros a descrever essa partícula que confere massa à matéria, em 1964, mas só 48 anos depois ela teve sua existência confirmada pela Cern (Organização Europeia de Pesquisa Nuclear).
O mundo palpável não se alterou com essa descoberta, seja em 1964, seja em 2012. Só a compreensão humana da composição da matéria se enriqueceu, nada mais.
Embora a corroboração do Modelo Padrão contribua para o entendimento e a experimentação em toda sorte de domínio físico, o bóson de Higgs fica muito distante de outras descobertas agraciadas com o Nobel. Por exemplo, a da magnetorresistência gigante, crucial para o funcionamento de discos rígidos de computadores.
Em grau um pouco menor, o Nobel em Fisiologia ou Medicina deste ano, conferido a James Rothman, Randy Schekman e Thomas Südhof, reitera a valorização da ciência movida mais pela curiosidade do que por aplicações. O trio desvendou mecanismos fundamentais de transporte de substâncias dentro de células e para fora delas, no interior de vesículas.
Esse sistema celular está presente em todo o mundo vivo. Por certo sua explicação contribui para um conhecimento mais profundo de doenças, como diabetes, e fornece pistas para o desenvolvimento de novos fármacos. Mesmo que assim não fosse, só um excesso patológico de pragmatismo impediria alguém de reconhecer o valor puramente cognitivo de elucidar componente tão básico da vida.
A pesquisa dirigida por objetivos tecnológicos é importante e necessária, mas nunca é demais lembrar que a ciência humana não teria chegado aonde chegou sem que alguém levantasse os olhos para o céu e se perguntasse por que raios ele é azul. 
fonte: uol- ciência  
Mas o que é o bóson de Higgs?

A descoberta da partícula foi anunciada por físicos do LHC, o acelerador de partículas do Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (Cern). O bóson de Higgs é uma manifestação de um campo de energia que permeia o Universo, o campo de Higgs, que pode explicar como as partículas têm massa. Isso significa que afirmar a sua existência explica como cada partícula adquiriu matéria após a grande explosão que originou o Universo, há 14 bilhões de anos.

Portanto, a partícula recém-descoberta, mas já teorizada antes, explica as origens do Universo. A novidade é que, agora, o bóson de Higgs também pode ser o novo profeta do fim do mundo. Pesquisadores da Universidade Estadual de Ohio e do Acelerador Fermi, nos Estados Unidos, alertaram que a massa do bóson de Higgs é um ingrediente chave em um cálculo que prenuncia o futuro do espaço e do tempo.
Ainda são necessários mais dados para confirmar a identidade da partícula. Mas muitos cientistas já fizeram suas apostas e começaram a fazer cálculos que antes não eram possíveis sem saber as propriedades do bóson de Higgs. Durante a reunião anual da Associação Americana para o Avanço da Ciência, o físico teórico Joseph Lykken afirmou que os cálculos da nova pesquisa apontam que haverá uma grande catástrofe causada pela partícula daqui a dezenas de bilhões de anos.
Tudo isso por causa de sua massa. A nova partícula deve ter 126 GeV (gigaelétron-volt, medida padrão para a massa de partículas subatômicas). Isso significa que a massa da partícula encontrada tem, aproximadamente, 126 vezes a massa de um próton.

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Fazendo a vida ser interessante