segunda-feira, 22 de maio de 2017

MELÃO E MELANCIA = CORES DIFERENTES, POR QUÊ?

ALÔ PESSOAL!!!
A química tem cor, sabor e fórmulas!
Veja abaixo:


Melão e Melancia:


IMG_9842.JPG
IMG_9840.PNG


Não é só a cor que difere nas melancias vermelhas ou amarelas. O sabor também é distinto. Culpa dos carotenóides que dão cor a estas frutas.


O licopeno, que existe também no tomate, dá a cor vermelha; o caroteno dá cor amarelo-laranjada e existe também na cenoura. E, após a degradação na fruta, cada um resulta em sabores diferentes.


Fonte: http://falaquimica.com

OS NOVOS VIDEOS DO CANAL XQUIMICA

ALÔ PESSOAL!
Estamos tentando cobrir a maior área possível para que você se dê bem nos exames de sua vida.
Conhecimento não ocupa espaço e como você vai usá-lo,depende do próprio saber!!!
Assim, no CANAL XQUIMICA,  dois novos vídeos:















Solubilidade e Exercícios com número de mol.
 Bemmmmm simples, para entender mesmo!!!

MAIS DE UM MILHÃO DE VISUALIZAÇÕES!!!!

ALÔ PESSOAL!!!


FESTA NO XQUIMICA!


1.000.000 DE VISUALIZAÇÕES!


AGRADECENDO!


sábado, 6 de maio de 2017

NÚMERO DE MOL, MASSA ATÔMICA E MASSA MOLECULAR

NÚMERO DE MOL ,MASSA ATÔMICA E MASSA MOLAR
ALÔ PESSOAL!!!!
A IDEIA É TRABALHAR O CONCEITO MAIS EXTENSO AQUI E OS PONTOS IMPORTANTES NO CANAL XQUIMICA.
ESTOU COLOCANDO VIDEOS CURTOS, PARA QUE REFORCEM E VOCE TENHA , SEMPRE MAIS POSSIBILIDADES DE APRENDER!






NÚMERO DE MOL
Como adendo a esta definição, a IUPAC esclarece que, quando a terminologia mol for usada, as entidades elementares devem ser especificadas, podendo ser átomos, moléculas, íons, elétrons, outras partículas, ou grupos especificados de tais partículas.


1 mol de qualquer substância terá uma quantidade de átomos que, se for “pesada” em gramas, terá o mesmo número da massa atômica.
Por exemplo, a massa atômica do cálcio é igual a 40 u. Assim, 1 mol de cálcio “pesa” 40 g.
Outro fator importante é que 12 g de carbono-12 contêm 6,02 . 1023 átomos (número de Avogadro), o que significa que 1 mol de qualquer substância contém 6,02 . 1023 entidades.
Por exemplo, no caso do cálcio, 1 mol possui massa de 40 g e 6,02 . 1023 átomos de cálcio. Veja como isso ocorre para outros elementos e moléculas:
?Exemplo de relação entre mol, massa e número de moléculas e átomos de algumas substâncias
Exemplo de relação entre mol, massa e número de moléculas e átomos de algumas substâncias

A partir dessas informações, surgiu o conceito de massa molar (M), que é a massa, em gramas, de um mol de substância (elemento, íon, etc.).
Se 1 mol de cálcio possui 40 g, então sua massa molar é 40 g/mol. Isso vale tanto para átomos quanto para moléculas. Por exemplo, 1 mol de H2O possui a massa molar igual a 18 g/mol, ou seja, 1 mol tem 18 g.
Desse modo, o número de mols (ou a quantidade de matéria, que é simbolizada por “n”) pode ser encontrado pela divisão da massa pela massa molar:
n = m
      
M
Resumidamente, podemos estabelecer a seguinte relação:
1 mol ↔ massa molar (em g/mol) ↔ 6,02 . 1023 entidades (Número de Avogadro)
A palavra “mol” pode ser usada tanto para fazer referência ao nome da unidade de quantidade de matéria quanto para o símbolo dessa unidade. Se estamos falando do nome, podemos usar o plural de mol, que é mols; mas se falamos do símbolo, não podemos usar o plural. Por exemplo, você pode escrever 5 quilogramas (nome da unidade), mas não escreve 5 kgs, e sim 5 kg (no singular). O mesmo ocorre com o uso de mol e mols.
O número de Avogadro é uma constante adimensional (não possui unidade, logo não representa uma grandeza) que indica a quantidade de átomos de Carbono-12 que, juntos, representam 12g da substância – 1 mol de C-12. O nome da constante é uma homenagem ao cientista Amedeo Avogadro.
Lorenzo Romano Amedeo Carlo Avogadro (1776-1856) foi um químico italiano que estabeleceu pela primeira vez a ideia de que uma amostra de um elemento, com massa em gramas numericamente igual à sua massa atômica, apresenta sempre o mesmo número de átomos (N).
O próprio Avogadro não conseguiu determinar o valor de N. Porém, ao longo do século XX, o avanço da tecnologia e do conhecimento científico possibilitou que outros cientistas desenvolvessem técnicas para determiná-lo. Quando finalmente esse valor foi descoberto, foi denominado de constante de Avogadro, em homenagem a este cientista, pois foi ele que estabeleceu os fundamentos para a sua criação.
fonte: Wikipédia

Entenda:




segunda-feira, 1 de maio de 2017

CANAL XQUIMICA -1° video - MASSA ATÔMICA E MOLECULAR


ALÔ PESSOAL!
É COM MUITO CARINHO QUE APRESENTO A VOCÊS O CANAL XQUIMICA.
JÁ INSTALADO NO YOUTUBE E OS VÍDEOS COMEÇANDO A PIPOCAR...


quinta-feira, 20 de abril de 2017

O LADO DARK DA COMIDA PARTE 2

CONTINUANDO SOBRE NOSSO PRATO DE COMIDA...


Comida gostosa, mas gostosa mesmo, viciante, só é boa porque é calórica – os aspargos que nos perdoem, mas gordura e açúcar são fundamentais. Não para a saúde, mas para o cérebro. Ele gosta mesmo é de porcaria. Nosso cérebro nos recompensa com doses de dopamina cada vez que comemos algo bem calórico, energético. É que no passado isso era questão de sobrevivência – havia pouca comida disponível, então quanto mais calórica ela fosse, melhor. A massa cinzenta dá essa mesma recompensa dopamínica depois do sexo ou de drogas pesadas. Por isso mesmo basta experimentar qualquer uma dessas coisas uma única vez para ter vontade de repetir. Com comidas energéticas, recheadas de carboidratos ou gorduras, não é diferente, você sabe. É impossível comer um só.
Mito – Frango com hormônio
Uma das lendas mais persistentes é a de que o frango é entupido de hormônios. E que esse hormônio pode ser letal para nós. Não. Não rola hormônio. “O segredo para o frango crescer tão rápido está na genética”, diz o engenheiro agrônomo Gerson Neudí Cheuermann, da Embrapa. A fórmula da ração do frango não é segredo: além de milho, soja e minerais, entram aminoácidos produzidos em laboratório (metionina e lisina), que servem de fato para bombar o galináceo, mas não fazem mal para quem come.
E a indústria dos alimentos se formou justamente em torno das comidas que mais liberam dopamina. Isso começou no final do século 19, com o início da produção em massa de açúcar e farinha de trigo refinada. Refinar uma planta significa estirpá-la de suas fibras, proteínas, minerais e deixar só o que interessa (pelo menos do ponto de vista do cérebro): carboidrato puro, energia hiperconcentrada. Depois vieram conservantes mais potentes (como o antiespumante e o antioxidante lá do nugget) e o processamento artificial, com máquinas que transformam carcaças de bichos e um monte de subprodutos de milho e de soja em coisas bonitas e de sabor viciante. Começava a era da comida industrializada. A nossa era.
E a produção de alimentos nunca mais seria a mesma. O cérebro do consumidor guia a indústria dos alimentos. Esse cérebro prefere comida turbinada por açúcar e gordura, certo? Então a seleção natural age de novo, mas dessa vez no mercado: só sobrevive quem produz comida mais gostosa. E a mais gostosa é a gorda (olha o Robertão aí de novo!). Natural, então, que o mercado de comida processada acabasse dominado por bombas calóricas. Nosso amigo nugget, por exemplo, recebe doses extras de gordura (óleo hidrogenado de soja) e também de açúcar (a glicose). Mais do que alimentar, a função dele é dar prazer.
Mas é um prazer que pode custar caro. Um “suco natural” industrializado, por exemplo, pode ter até duas colheres de açúcar para cada 200 mililitros. Nosso corpo não é adaptado para suportar doses cavalares como essa o tempo todo. A produção de insulina, por exemplo, pode sobrecarregar e dar pau – e sem esse hormônio, que gerencia o processamento de acúcar no organismo, você se torna diabético.
Nos EUA, 1 em cada 10 adultos tem diabetes – duas vezes mais do que em 1995. E a perspectiva é que essa proporção triplique nas próximas décadas, agora que 1,6 milhão de novos casos são diagnosticados por ano. Para completar, 70% da população é considerada acima do peso. E nós aqui no Brasil estamos indo por esse caminho. Quanto mais a economia cresce, maior fica a nossa cintura. No meio dos anos 70, quando o IBGE mediu pela primeira vez o peso da população, 24% dos brasileiros estavam acima do peso. Hoje são 50%.
O aumento de peso pode ser o resultado mais visível de uma dieta inadequada. Mas quem está na parcela sem pneuzinhos da população também corre riscos. Principalmente por causa de outro ingrediente-chefe da comida industrializada: o sal. “A maior parte do sal que a gente consome não está nos saleiros, mas nos alimentos processados” diz Michael Klag, diretor da Faculdade de Saúde Pública da Universidade John Hopkins, nos EUA. O sal é adicionado para ajudar a preservar o produto e, principalmente, reforçar o sabor. E ele acaba onde você menos espera. Está nos cereais de café da manhã e até nos achocolatados – para deixar o chocolate menos enjoativo.
A Organização Mundial da Saúde recomenda o consumo de, no máximo, 6 gramas de sal por dia para evitar pressão alta – e as doenças que ela causa. Os brasileiros comem o dobro disso. De acordo com a Ação Mundial pelo Sal e pela Saúde, uma organização que reúne membros em 81 países para tentar diminuir o consumo global de sal, se a população mundial comesse apenas os tais 6 gramas de sal por dia, haveria 24% menos casos de ataques cardíacos pelo mundo e 18% menos derrames.
Os hábitos alimentares de hoje podem estar contribuindo também para um aumento em alergias alimentares e doenças intestinais. Para você ter uma ideia, o número de pessoas internadas em hospitais por causa de alergias nos EUA quadruplicou entre 2000 e 2006 (de 2 600 para 9 500 pessoas por ano). O maior suspeito aí é a falta de fibras da comida industrializada.
Uma pesquisa liderada por Paolo Lionetti, da Universidade de Florença, analisou a flora intestinal de crianças italianas e comparou com a de garotos de Burkina Fasso, na África, que têm uma dieta rica em fibras e nunca viram comida processada. Então descobriu que as crianças africanas tinham uma flora intestinal mais variada, capaz de protegê-las de uma série de doenças. “Acredito que a dieta dos países ocidentais tem um papel importante no aumento das alergias e infecções intestinais”, diz Paolo.
Os nuggets, pizzas congeladas e cia. não são o único problema. A comida reconhecidamente saudável também tem seus pontos fracos. Dados dos governos americano e inglês mostram quedas nas quantidades de ferro, vitamina C, riboflavina, cálcio, zinco, selênio e outros nutrientes em dezenas de colheitas monitoradas desde os anos 50. Hoje, você tem que comer 3 maçãs para ingerir a mesma quantidade de ferro, por exemplo, que uma maçã fornecia. São várias as razões que poderiam justificar esse fenômeno. Parte da explicação pode vir dos critérios que usamos no melhoramento genético, selecionando variedades de milho, soja e outras plantas segundo a produtividade, não a qualidade nutricional. Pior: nossas plantas criadas à base de fertilizantes, como crescem mais rápido, têm raízes menores e menos tempo para acumular nutrientes além daqueles que vêm no próprio fertilizante. Mais: poupadas de lutar contra insetos pelo uso de pesticidas, estariam produzindo menos polifenóis – substâncias que usam como mecanismo de defesa e que nos beneficiam por suas ações anti-inflamatórias e antialérgicas.


VENENO NA FEIRA
Tão fundamentais para a agricultura moderna quanto os fertilizantes são os pesticidas. Ainda mais com as monoculturas sem fim de hoje. Imagine o que acontece quando um inseto que tem na raiz da soja seu prato preferido topa com hectares e mais hectares onde só existe essa planta? Ele não arreda mais o pé dali, se reproduz vertiginosamente e traça tudo o que vê pela frente: eis uma praga agrícola. Elas não são novidade. Mas claro que, com a demanda por alimentos que existe hoje, seja ou não comida industrializada, não dá para abrir mão deles.
Verdade – Dá para se proteger dos agrotóxicos veja como:
1. Prefira produtos locais
Frutas importadas, por exemplo, terão mais químicos para suportar a viagem e chegar em bom estado ao Brasil.
2. Lave as frutas com esponja
Só água pode não ser o bastante para tirar os resíduos de pesticida.
3. Compre produtos da época
As frutas que não são da estação recebem mais agrotóxicos para durar além da conta.
4. Evite a beleza exagerada
Desconfie da fruta que parece obra de arte. Ela pode ter recebido mais agrotóxicos.
No Brasil, menos ainda. O surgimento de novas pragas, como a ferrugem de soja (um fungo nocivo), transformou o país no maior consumidor de agrotóxicos do mundo. Superamos os EUA nesse quesito em 2008, quando o mercado de defensivos agrícolas movimentou mais de US$ 7 bilhões no país. A façanha tem consequências. Em junho passado, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou o relatório anual sobre a presença de resíduos de agrotóxicos nas frutas, verduras, legumes e grãos que o brasileiro consome. Das 3 130 amostras de 20 culturas de alimentos estudadas pela agência em 2009, 29% apresentaram alguma irregularidade. Mas não é motivo para pânico. “O fato de um alimento apresentar resíduos de pesticida além do limite estabelecido não indica necessariamente risco para a saúde”, diz a toxicologista Eloisa Caldas, da Universidade de Brasília. O ponto, segundo ela, é evitar uma dieta monótona. Quanto mais variada sua alimentação, menos chance você tem de comer o mesmo pesticida. E isso diminui o risco de intoxicação.
Mais seguro ainda é comprar alimentos orgânicos. Eles não recebem veneno em nenhum momento, desde o plantio até a gôndola do supermercado. Nem veneno nem fertilizante químico. Então são mais saudáveis para o ambiente. E a quantidade de nutrientes por centímetro cúbico é maior. O problema é que a produção da lavoura orgânica é, em média, 30% menor que a convencional – e os vegetais que saem dela acabam 30% mais caros.
Estudos mostram que, mesmo assim, daria para alimentar o mundo só com orgânicos. Mas só se o consumo de carne diminuir. O que uma coisa tem a ver com a outra? É que boa parte do que plantamos é para alimentar animais de criação. Uma peça de picanha, por exemplo, exige 75 quilos de vegetais para ser produzida. Só que o mundo está cada vez mais carnívoro – a China, depois de ter virado a 2ª maior economia do mundo, passou a comer 25% de toda a carne do planeta. Hoje temos 20 bilhões de animais de criação, e a perspectiva da ONU é que esse número vá dobrar até 2050.
Até existe um tipo de carne que não depende nada das plantações: os peixes selvagens. Mas eles não são a alternativa. Primeiro, porque os mais nobres estão acabando. Algumas espécies de atum e de bacalhau não devem escapar da extinção. Segundo, porque existe o perigo da contaminação por mercúrio, pelo menos para quem come certos peixes com frequência.

Cuidado: até os peixes mais saudáveis podem estar contaminados.
Nível de mercúrio

Quanto mais alta a concentração, maior o perigo para quem come com frequência*
Moderado
Atum em lata
Bacalhau
Alto
Atum DE SUSHI
Anchova
Muito alto
Cação
Peixe-espada
Funciona assim: embora o metal possa ser encontrado em todos os ambientes, é no meio aquático que mora o perigo. Graças à ação de bactérias, sobretudo em zonas alagáveis, o mercúrio é transformado em sua forma orgânica e mais perigosa: o metilmercúrio. Nessa versão, ele penetra nas algas. As plantas aquáticas têm baixo teor de mercúrio, mas os peixes herbívoros (que se alimentam dessas plantas) têm um pouco mais. E os predadores (que comem os herbívoros) acabam com um índice bem maior. Quanto mais perto do topo da cadeia alimentar, mais contaminado tende a ser o peixe. Não significa que todo peixe grande esteja contaminado. Se ele vive numa região livre de mercúrio, o que é comum, não tem problema. Mas claro: quem vê cara não vê contaminação. Você só tem como saber o estado dos peixes que comeu se acabar intoxicado – os sintomas são tremores, vertigem, perda de memória, problemas digestivos e renais, entre outros. Não, não precisa parar de comer esses peixes, só ter alguma moderação (veja no quadro). Mas o risco não deve diminuir – o mercúrio é um resíduo das termelétricas. E a maior parte do mundo ainda é movida a carvão…


Peixes contaminados, overdose de gordura e açúcar, fertilizantes que dependem de combustíveis fósseis e destroem ecossistemas… Estamos no fim da linha, então? Sim.
Mas já estivemos antes. Ontem mesmo era 1960, o mundo tinha 3 bilhões de habitantes e uma certeza: estávamos à beira de um colapso. Mais um pouco e não teria comida para todo mundo. Mas não. Chegamos a 6,5 bilhões de pessoas graças justamente à globalização dos fertilizantes e da comida industrializada – a produção em massa barateou os alimentos. Esse boom alimentício ficou conhecido como Revolução Verde. Agora, precisamos de mais revoluções. Uma, a da conscientização sobre os perigos do fast food e da comida processada, já começou. E a ciência tem feito seu papel também, pesquisando alternativas que vão de plantas geneticamente modificadas que dispensam fertilizantes e pesticidas até carne de laboratório – um meio de entregar proteínas sem o intermédio de animais. Seria uma espécie de segunda Revolução Industrial da comida. Não sabemos como nem quando ela vai acontecer. Mas há uma certeza: não podemos ser bestas de esperar pelo colapso.


Mito – Salmão com corante
O salmão é um peixe branco por natureza. O rosa vem da astaxantina, um pigmento que existe em algas microscópicas. Primeiro o camarão come essas algas, depois o salmão come o camarão e fica rosado. Só que os peixes criados em tanques não comem camarão. Deveriam ficar brancos a vida toda. Mas não. Eles são rosa também (menos, mas são). Corante? Não exatamente: o que fazem é colocar astaxantina na ração dos peixes – ela pode ser sintética ou vir daquelas microalgas mesmo.

• Cada 100 quilos de fertilizante químico emite 540 quilos de Co2 para ser fabricado.
• 1/3 das emissões de gases-estufa vem da agropecuária.
• Em 1940, gastávamos 0,5 caloria de combustível fóssil para produzir 1 caloria de comida, hoje gastamos 20 vezes mais.
• Hoje, A área desmatada na Amazônia para criar GADO equivale à de 100 cidades de São Paulo.
• 2/3 de todos os antibióticos fabricados nos EUA vão para a alimentação do gado. Isso cria superbactérias.
• 80% do pimentão vendido no Brasil tem mais agrotóxico que o permitido.
• Depois vêm: 56,4% – UVA / 54,8% – PEPINO / 50,8% – MORANGO
• As frutas anabolizadas por fertilizantes têm menos nutrientes como ferro, vitamina C, cálcio e zinco que as orgânicas.

* Mesmo o consumo diário pode não trazer riscos. Mas, se alguns desses peixes formam a base da sua alimentação, vale conversar com um médico sobre os perigos. ** Os mais usados nos restaurantes japoneses são o atum-branco e atum-amarelo. O de lata costuma ser da espécie skipjack, menor (e menos suscetível ao mercúrio).
FONTE: REVISTA "SUPERINTERESSANTE"

O LADO DARK DA COMIDA - PARTE 1

ALÔ PESSOAL!
Acabei de ler esse artigo da SUPER, e quero compartilhar com vocês.


Verdade – Fertilizante mata Mata peixes, não pessoas. Mas mata. Resíduos de fertilizante vão parar em rios, e daí para o mar. Lá eles fertilizam algas e elas crescem. Mas isso não é bom: quando elas morrem, sua decomposição rouba oxigênio da água. E os peixes sufocam. São as chamadas zonas mortas. Existem quase 400 delas nos mares.
Sem eles para anabolizar as plantações, não haveria comida para todo mundo. O problema é que, com eles, podemos ficar sem mundo. “Na porteira da fazenda, ainda antes do uso, um saco de 100 quilos de fertilizante químico já emitiu 4 vezes esse peso em CO2 para ser fabricado. Depois que aplicam no solo, pelo menos 1 quilo daquele nitrogênio (elemento principal do fertilizante) é liberado para o ar em forma de óxido nitroso, um gás quase 300 vezes pior para o aquecimento global do que o CO2”, diz o agrônomo Segundo Urquiaga, da Embrapa. Nessa toada, a agropecuária consegue emitir sozinha 33% dos gases-estufa do mundo, mais do que todos os carros, trens, navios e aviões juntos, que somam 14%.
Além disso, os fertilizantes deixam resíduos debaixo da terra que chegam aos lençóis freáticos e acabam no mar. Mas isso é pouco comparado ao que a comida moderna pode fazer ao seu corpo...
Você come nuggets?


Os empanados de frango são um dos ícones da indústria de alimentos, baseada, como qualquer outra, em mecanização, uniformização, produtividade. Essas exigências levam a um fato curioso: há quase 40 ingredientes diferentes em um nugget, mas 56% dele é milho.
A maisena é farinha de amido de milho – o ácido cítrico, a dextrose, a lecitina, tudo é feito com moléculas desse grão. Ou com grãos de soja, dependendo do que estiver mais em conta no mercado de commodities agrícolas (pensando bem, até a galinha é feita de milho e soja – é isso que ela come de ração. Metade da área plantada no Brasil é dominada pela soja, que aparece em 70% dos alimentos processados. E um terço das plantações americanas são lavouras de milho Isso acontece porque soja e milho produzem mais calorias que a maioria das plantas; são resistentes ao transporte e a anos de estocagem, entre outras vantagens competitivas.
Mas qual é o problema de chegar a essa variedade de comida com apenas dois grãos? Os bois podem dar uma primeira resposta.
No mundo desenvolvido, praticamente toda a carne sai das fazendas de confinamento – galpões onde os bois passam a vida praticamente empilhados uns nos outros, só engordando. Nesses galpões, a comida do boi não é capim, mas ração à base de milho e soja. O inconveniente é que ele não come grãos. Industrialmente falando, um boi é uma máquina que transforma celulose de capim (algo que o nosso organismo não digere) em proteína comestível – a carne dele. Mas capim é bem menos calórico que milho e soja. Para ele crescer rápido e ir logo para o corte, tem que ser ração mesmo. Só que o metabolismo do bicho pena para processar tanta comida indigesta. A fermentação dos grãos no sistema digestivo dele pode causar um inchaço do rúmen (o estômago do boi) que pressiona os pulmões e pode matar o animal. Para combater isso, os criadores enchem os bois de antibiótico: 70% dos antimicrobiais usados nos EUA são misturados às rações de animais. O problema é que isso cria superbactérias resistentes a antibióticos. É Darwin em ação: os antibióticos nem sempre matam todas as bactérias. Às vezes sobram algumas que, por mutação genética, nasceram imunes ao remédio. Sem a concorrência de outras bactérias, elas se reproduzem à vontade. Nasce uma cepa de micro-organismo mais resistente a qualquer antibiótico. Ela podem ser letal. Ainda mais se for parar na prateleira do supermercado.
Foi o que aconteceu com uma variedade agressiva de Escherichia coli. Em 2001, o garoto americano Kevin Kowalcyk, de 2 anos de idade, comeu um hambúrguer contaminado por essa bactéria e morreu 12 dias depois. O caso produziu algo inusitado: um recall de hambúrguer.
No Brasil isso não é um problema. Só 6% do nosso abate vem de confinamentos, contra 99% nos EUA. Aqui os bois ficam soltos. Bom para eles, pior para as bactérias. Mas pior também para as florestas. Nossos pastos são formados à custa de desmatamento da Amazônia e do cerrado. E isso leva o Brasil ao posto de 5º maior emissor de CO2 do mundo. Quase 52% dos nossos gases-estufa vêm do desmatamento. Para frear isso de forma realista (porque parar de criar bois e de exportar carne não tem nada de realista), a solução é o confinamento. Só que essa modalidade de criação também não é a panaceia para o ambiente. Os galpões de gado causam tantos impactos quanto uma cidade grande: lixo, esgoto, rios poluídos… Até mais, na verdade. Só os animais confinados que existem hoje nos EUA produzem 130 vezes mais dejetos do que todos os americanos juntos.
Todo esse cocô vai para grandes lagos de esterco, que servem de parque aquático para bactérias: elas podem passar desses lagos para o solo de uma lavoura. Podem e conseguem. Só de recalls de vegetais contaminados por E. coli já foram 20 na última década nos EUA. Em 2009, um surto de salmonela matou 8 pessoas e adoeceu 600 por lá. Grave. Mas não deixam de ser casos isolados.
( VEM MAIS!)


fonte: Eduardo Szklarz                                                                
  5 jan 2011, 22h00 - Atualizado em 31 out 2016, 19h06          
revista "Superinteressante"                        



segunda-feira, 17 de abril de 2017

MOTHER OF ALL BOMBS

ALÔ PESSOAL!
A política mundial anda muito propensa a ataques, sejam eles através de palavras ou armas.
Semana passada, os EUA lançaram a chamada "mãe de todas as bombas"
É sobre ela que vamos falar hoje.


                                                             MOAB
'Mãe de todas as bombas' durante teste
AFP




Seu nome oficial é GBU-43/B Massive Ordnance Air Blast, mas é mais fácil se lembrar da sigla em inglês, MOAB, que também inspira seu apelido famoso: "Mother of all Bombs", ou seja, "a mãe de todas as bombas".
Ela faz parte do arsenal dos Estados Unidos e seu poder explosivo só perde para uma bomba nuclear, como as usadas no Japão durante a Segunda Guerra Mundial.
Nesta quinta-feira, uma MOAB foi lançada pelos militares dos EUA em uma operação de combate ao grupo autodenominado Estado islâmico (EI) no Afeganistão, ataque ocorreu às 19h32 (horário local) - o alvo era um "sistema de túneis e cavernas" que os EUA dizem ser usados pelos extremistas em Nangarhar, no leste do Afeganistão.

A MOAB é uma bomba de 9,8 toneladas, o que é equivalente à potência de 11 toneladas de TNT e a torna a arma mais poderosa depois das bombas de reação nuclear.
No entanto, está muito longe de causar o tipo de destruição provocado por bombas atômicas como a que os Estados Unidos jogaram na cidade japonesa de Hiroshima em 1945.
Ela foi testada pela primeira vez em 2003, na Flórida, enquanto os EUA realizavam operações no Iraque e no Afeganistão em decorrência dos ataques de 11 de setembro de 2001.

Até então, ela nunca tinha sido usada em combate, explica o repórter de defesa da BBC, Jonathan Marcus.
"É uma arma enorme, guiada por GPS. O seu efeito principal é uma enorme explosão numa área imensa", diz.
A bomba tem um comprimento de nove metros e geralmente é carregada por um avião Hércules MC-130, que a libera com a ajuda de um paraquedas. O GPS serve de guia até o alvo.
A arma foi desenvolvida por Albert L. Weimorts Jr., do Laboratório de Pesquisa da Força Aérea dos EUA, e é "uma versão maior das armas usadas durante a Guerra do Vietnã", afirma Marcus.



Moab em cima de caminhão antes de ser transportada
AFP - FORÇA AÉREA DOS EUA


A sua explosão é capaz de destruir construções em um raio de até um quilómetro. Contém aproximadamente 8.165 quilos de tritonal, uma mistura de TNT (80%) e pó de alumínio (20%). O alumínio potencia a capacidade detonante do TNT em cerca de 18%.
Em vez de ser lançada de um bombardeiro através das portas do compartimento de bombas, a MOAB é montada sobre um estrado de carga e empurrada para fora pela porta traseira de um avião cargueiro como o Hércules C-130 ou um Lockheed Martin C-5 Galaxy. Um pára-quedas separa o estrado, de modo que a bomba possa cair livremente. A bomba então acelera rapidamente atingindo sua velocidade terminal.
VIDEO DA EXPLOSÃO NO AFEGANISTÃO - ABRIL/2017






SOBRE O TNT:
O Trinitrotolueno (TNT) é um explosivo. Possui coloração amarela pálida e sofre fusão a 81°C. Faz parte de várias misturas explosivas, como, por exemplo, o amatol, uma mistura de TNT com nitrato de amônia.
É preparado pela nitração do tolueno (C6H5CH3), tendo a fórmula química C6H2CH3(NO2)3.
Na sua forma refinada, o trinitrotolueno é completamente estável, e, ao contrário da nitroglicerina, é relativamente insensível à fricção, impacto ou agitação. Isto significa que é necessário o uso de um detonador para provocar sua explosão. Não reage com os metais nem absorve água, pelo que é muito estável e pode ser armazenado por longos períodos de tempo, ao contrário do dinamite.
FÓRMULA:

fontes: Wikipédia, BBC News,Banco de dados de Química Ebah.

quarta-feira, 29 de março de 2017

GLÚTEN : O VILÃO DO MOMENTO

AL\Ô PESSOAL!!!
De tempos em tempos surgem os " modismos".
O de hoje é o glúten, que passou por toda a humanidade desde sua existência ( há papiros com receita de pão no Antigo Egito!) .
Mas vamos atrás das respostas para não ficar com medo do pãozinho  quente ...




O glúten é um composto de proteínas encontrado na farinha de trigo, na aveia, no centeio, na cevada e no malte.
Dentro de glúten, existem quatro principais proteínas: albumina, glutelinas, globulinas, e prolaminas. Glutelinas e prolaminas são encontradas em concentrações mais elevadas no trigo, enquanto albuminas e globulinas são mais abundantes no milho e no arroz. Muitas pessoas associam o trigo com o termo “glúten”, já que são as proteínas mais diretamente relacionados a problemas de saúde como a doença celíaca. Glutelinas, em particular, são perigosas para as pessoas suscetíveis a intolerância por causa da maneira que os ácidos no corpo as processam.
A maior parte da proteína de trigo (cerca de 80%) é constituída pela prolamina chamada gliadina e a glutenina. Quando estas moléculas são unidas entre si devido a uma reação química, eles esticam e endurecem, permitindo que a massa se forme leve, arejada e com uma textura mastigável. Como resultado, estas proteínas são comumente encontradas em farinha e outros produtos de panificação.
Na massa, quando amassada, o glúten cria os fios que ajudam as moléculas de gliadina e glutenina a se juntar. Quanto mais a massa é amassada, mais as ligações são desenvolvidos e mais mastigável o produto final se torna. Além disso, as proteínas engrossam quando aquecidas, prendendo o dióxido de carbono produzido pela levedura. Isso permite que os produtos de panificação crescer mais e manter a sua forma, em vez de se desagregar.
A quantidade de glúten adicionado à farinha pode ter um impacto sobre a textura do produto final. Farinha de pão tem mais destas proteínas para produzir um pão que não é muito denso ou quebradiço, enquanto a farinha de pastelaria tem menos.
Utilizado como um espessante, o glúten pode ser encontrado em sopas e caldos, bem como molhos e temperos, tais como o ketchup, molhos de salada, ou marinadas. Como ele também realça o sabor, é utilizado em caldos de carne, tempero combinados e outros alimentos, como cafés, produtos lácteos, vinagres e licores. Também pode ser encontrado na substância usada para selar envelopes uma vez que atua como um estabilizador.
O glúten também é usado puro como um suplemento de proteína, principalmente para pessoas que não têm acesso a outras fontes de proteína. A proteína o torna útil como substituto da carne, especialmente quando usados ​​em dietas vegetarianas e veganas. Carnes de imitação ou carnes de trigo são muitas vezes feitas de glúten concentrado.
Glúten nos alimentos


fonte: https://www.saudemelhor.com( texto acima e foto)


A formação do glúten:
https://www.emaze.com




Quem não pode comer glúten?

Uma pessoa diagnosticada com doença celíaca não pode comer nenhum tipo de alimento que contenha glúten. Indivíduos com essa doença tem uma reação anormal à ingestão de glúten. O corpo acaba liberando substâncias como a citosina, que danifica e atrofia a parede do intestino delgado. Se não houver um acompanhamento ou um controle da alimentação, essa doença pode levar à morte .

O sintoma mais clássico dessa doença é a diarreia crônica, causada pela inflamação no intestino delgado, que passa a apresentar falhas na absorção dos nutrientes. Além disso, os celíacos podem apresentar déficit no crescimento, atraso menstrual, esterilidade, aftas recorrentes e dificuldades para tratar anemia, já que o intestino não consegue absorver o ferro.                             
Não há cura para essa doença, mas procurar um médico que indique uma dieta sem glúten é o melhor tratamento. É importante ressaltar que, após o aparecimento desses sintomas, a pessoa não deve parar de comer alimentos que contenham glúten por conta própria. Essa ação pode prejudicar ainda mais o organismo.
Retirar o glúten emagrece?
O que causa a obesidade é o excesso na ingestão de produtos que contém glúten, como pães, bolos, macarrão, molhos...
Uma dieta que " retira o glúten" na realidade faz efeito porque esses alimentos deixam de ser ingeridos.
Nutricionistas também afirmam que como o glúten está presente em muitos carboidratos, a redução do glúten na alimentação implica uma redução nas calorias e consequentemente no peso, algo que acontece em qualquer tipo de dieta, com ou sem restrição do glúten.
fontes: Wikipédia












segunda-feira, 20 de março de 2017

CONSERVANTES USADOS NA CARNE BOVINA

ALÔ PESSOAL!
Em tempos de Operação Carne Fraca, é bom ficar atento aos possíveis conservantes que são usados nas carnes em geral, mas estamos focando as carnes vermelhas.
Algumas práticas são bem conhecidas, como adicionar água à estrutura da carne- aumenta o seu peso...


Mas vamos lá:
Conservante é uma substância adicionada aos alimentos com a função de impedir ou retardar a alteração causada por microrganismos. É uma substância classificada, tecnicamente, como aditivo alimentar e cuja adição nos alimentos é controlada pela legislação devido às consequências para a saúde  geradas pelo  mal uso desse produto.
Dentre os conservantes, os nitratos e nitritos possuem uma grande importância para a Saúde Pública por serem muito utilizados na fabricação de produtos cárneos. Esses elementos são sais adicionados na forma de nitrato e nitrito de sódio e potássio e atuam protegendo o alimento contra uma bactéria perigosa: o Clostridium botulinum, que causa o botulismo que é uma doença neurológica importante. Além disso, possuem a função de fixar a cor vermelha nos alimentos, dando a eles uma aparência de frescor. Também têm como função conferir sabor e aroma característicos aos produtos em que são adicionados. O que acontece é que o nitrato, quando utilizado inadequadamente, transforma-se em nitrito, substância responsável por alguns efeitos adversos à saúde das pessoas.


acougue2


O uso de nitritos possui dois principais efeitos à saúde de seus consumidores. Um deles refere-se à transformação da molécula de hemoglobina em outra molécula que transporta menos oxigênio às células do organismo. Esse é um efeito tóxico rápido e  acontece quando se consume uma grande quantidade do produto de uma única vez. Como sintomas, as pessoas podem ter tontura e falta de ar. Outro efeito, e talvez o mais importante, é a possibilidade desses ingredientes causarem câncer. Isso pode acontecer devido à ingestão frequente do produto e por isso que se diz que é um efeito crônico. O que acontece é que os nitritos, em nosso organismo, podem interagir com compostos que possuem nitrogênio em sua composição formando substâncias que em certas condições de exposição podem causar mutação das células e levarem ao câncer. Os principais órgãos que podem ser afetados por esses ingredientes são os órgãos digestivos.
Outro conservante importante à saúde é o sulfito que pode provocar reações alérgicas em pessoas sensíveis, principalmente em asmáticos. Além disso, essa substância também tem sido estudada quanto à possibilidade de causar câncer.


açougue-G 


No Brasil, a adição de qualquer tipo de conservante em carnes frescas é proibida sendo permitida sua adição apenas em produtos industrializados. O que acontece, e tem sido cada vez mais visto, é a adição dessas substâncias em produtos frescos manipulados por açougues e casas de carne. Tais estabelecimentos não são registrados como indústria e por isso, pela legislação, apenas podem vender carne fresca, refrigerada ou congelada. A esses estabelecimentos a atividade de adicionar conservantes em qualquer tipo de carne é proibida.
Os açougues podem vender produtos que contenham esses ingredientes no caso deles serem adquiridos de empresas registradas no Ministério da Agricultura, mas não podem adicioná-los aos produtos que vendem porque muitas vezes adicionam o produto numa quantidade que excede a permitida pela legislação.
 A incorporação de aditivos nos produtos cárneos precisa ser feita apenas por quem possa se responsabilizar por seu uso, ou seja, pelas indústrias que detêm o conhecimento específico para a fabricação de produtos e que sabem utilizá-lo na quantidade permitida pela legislação vigente, evitando assim riscos desnecessários à saúde da população.
O que o cidadão pode fazer para ajudar é cobrar de seu açougueiro que não utilize esses insumos na manipulação de carnes. Além disso, deve procurar nos rótulos dos produtos adquiridos os nomes ou números: Nitrito de Potássio (INS 249), Nitrito de Sódio (INS 250), Nitrato de Sódio (INS 251) e Nitrito de Potássio (INS 252).






O dióxido de enxofre e os sulfitos




O dióxido de enxofre e os sulfitos já são usados há muito tempo como conservantes, tanto como antimicrobianos quanto como antioxidantes. Seu uso para conservação dos barris de vinho data do tempo dos romanos.
À temperatura ambiente o SO2 é um gás, mas pode ser facilmente liquefeito (ponto de ebulição =-10ºC). O dióxido de enxofre possui um odor desagradável e irritante, sendo venenoso e especialmente tóxico para organismos inferiores, tais como fungos.
É usado na esterilização de frutas secas e barris de vinho.
 Acredita-se que as soluções acidas provenientes da dissolução de SO2 em água, contenham o ácido sulfuroso (H2SO3) que, no entanto, nunca foi obtido puro. Quando se tenta concentrar as soluções por aquecimento, por exemplo, consegue-se unicamente expulsar o SO2.
Como gás, o dióxido de enxofre pode ser usado de forma comprimida, em cilindros. Ele torna-se líquido sob pressão de 3,4 atmosferas e pode ser usado  desta forma, injetado diretamente em líquidos.
A atividade antisséptica do SO2 é altamente dependente do pH. Mais baixo o pH, maior será a sua ação antisséptica.
O ácido sulfuroso inibe a formação de mofos e desenvolvimento de bactérias e, em menor escala, de leveduras.
A quantidade de SO2 que pode ser adicionada aos alimentos é limitada porque a níveis entre 200 e 500ppm, o produto pode gerar um cheiro desagradável.
O ADI é de 0,7 mg/kg de peso corpóreo.Como este limite poderia vir a ser ultrapassado
pela ingestão de grandes quantidades de vinho,existem muitos estudos visando a redução de sua  utilização na fabricação de vinho. Embora outros produtos tais como os ácidos ascórbicos e sórbico possam parcialmente substituir o uso de SO2 na fabricação do vinho, os experts estimam que ele é insubstituível nesta aplicação específica.

ácido ascórbico




fontes: Patricia Rossi Moriconi – Médica Veterinária


Nessa operação Carne Fraca o que não falta é Química!

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Fazendo a vida ser interessante