terça-feira, 30 de julho de 2013

NOTÍCIAS DE MARTE

alõ pessoal!!!
Podem ter a certeza que Marte estará nos vestibulares!
Essas notícias são dessa semana e saiu na revista  EXAME:
DESLIZAMENTO DE TERRA NA CRATERA ZUNIL ( MARTE)-cienctec.com.br

São Paulo – Marte não é um planeta agradável para se viver. O planeta vermelho é frio e seco, com uma fina atmosfera dominada por dióxido de carbono. E, de acordo com novos dados coletados pelo jipe-robô Curiosity, a atmosfera do planeta não mudou muito nos últimos 4 bilhões de anos.

Os cientistas suspeitam que, depois de formação violenta do planeta há 4,5 bilhões de anos, algo fez com que Marte perdesse sua atmosfera. Hoje, o planeta tem só 1% da atmosfera da Terra.
Os pesquisadores suspeitam que Marte sofreu uma catástrofe que desligou os campos magnéticos do planeta. O fenômeno deixou o planeta exposto a fortes ventos solares e o fez perder praticamente toda sua atmosfera. Essa descoberta foi possível porque pesquisadores revelaram com uma precisão inédita a composição do ar em Marte. A conclusão está em dois estudos publicados na revista Science.
Os cientistas já suspeitavam que Marte tivesse perdido a atmosfera no passado. A nova análise revelou detalhes na composição de gases no planeta, o que permitiu aos cientistas deduzir que a erosão atmosférica inicial foi muito mais brusca do que o imaginado, e só depois atenuou.
Antes desse evento, Marte tinha uma atmosfera espessa, com pressão centenas de vezes maior do que a da Terra. O planeta vermelho perdeu rapidamente quase todo seu ar e a erosão não cessou. Hoje, o ar de Marte é tão rarefeito que sua pressão é de menos de um centésimo da encontrada na superfície terrestre.
Os pesquisadores deduziram essa perda de atmosfera porque os átomos mais leves de um gás se concentram no alto da atmosfera. O vento solar age os empurrando para fora de Marte com mais facilidade.
Agora, portanto, é praticamente um fato: Marte perdeu sua atmosfera. Resta ter certeza do que causou essa perda tão brusca. Os cientistas ainda discutem o que exatamente causou o fenômeno.
A hipótese mais válida é que o campo magnético do planeta dependia de um fluxo de magma em seu interior. Se esse magma se solidificou, o magnetismo se dissipou e deixou o planeta exposto ao vento solar, que era mais forte naquela época. Há também a teoria de que uma grande colisão desestabilizou o fluxo de magma do planeta vermelho.
Apesar da perda precoce de atmosfera, ainda não se sabe se o fenômeno foi quem impediu que o planeta tivesse condições favoráveis à vida. Mas tudo indica que, ao menos durante um curto período de tempo, a pressão atmosférica do planeta foi adequada para manter água líquida, cujo fluxo deixou sinais em rochas.

segunda-feira, 29 de julho de 2013

TALIDOMIDA- AINDA USADA?

ALÔ PESSOAL!!
 Um estudo ao qual a BBC teve acesso exclusivo mostra que o uso da talidomida continua a causar defeitos físicos em bebês nascidos no Brasil.
A polêmica droga é distribuída na rede pública para tratar pessoas com hanseníase - doença antigamente chamada de lepra, causada pelo bacilo de Hansen, o Mycobacterium leprae, que ataca nervos periféricos e a pele.


 Thalidomide-2D-skeletal-wavy.svg
A talidomida (C13H10N2O4) é uma substância usualmente utilizada como medicamento sedativo, anti-inflamatório e hipnótico. Devido a seus efeitos teratogénicos, tal substância deve ser evitada durante a gravidez e em mulheres que podem engravidar, pois causa má-formação ou ausência de membros no feto
A talidomida esteve ao mercado pela primeira vez na Alemanha em 1 de outubro de 1957. Foi comercializada como um sedativo e hipnótico com poucos efeitos colaterais. A indústria farmacêutica que a desenvolveu acreditou que o medicamento era tão seguro que era propício para prescrever a mulheres grávidas, para combater enjôos matinais.
Foi rapidamente prescrita a milhares de mulheres e espalhada para todas as partes do mundo (46 países), sem circular no mercado norte-americano.
Os procedimentos de testes de drogas naquela época eram muito menos rígidos e, por isso, os testes feitos na talidomida não revelaram seus efeitos teratogénicos. Os testes em roedores, que metabolizavam a droga de forma diferente de humanos, não acusaram problemas. Mais tarde, foram feitos os mesmos testes em coelhos e primatas, que produziram os mesmos efeitos horríveis que a droga causa em fetos humanos.
No final dos anos 1950, foram descritos na Alemanha, Reino Unido e Austrália os primeiros casos de malformações congênitas onde crianças passaram a nascer com focomelia, mas não foi imediatamente óbvio o motivo para tal doença. Os bebês nascidos desta tragédia são chamados de "bebês da talidomida", ou "geração talidomida". Em 1962, quando já havia mais de 10.000 casos de defeitos congênitos a ela associados em todo o mundo, a Talidomida foi removida da lista de remédios indicados . Os Estados Unidos foram poupados deste problema graças à atuação firme de Frances Oldham Kelsey, farmacologista encarregada pelo FDA (Food and Drug Administration) de avaliar os testes clínicos apresentados pela indústria.
Cientistas japoneses identificaram em 2010 como a talidomida interfere na formação fetal. Eles descobriram que o medicamento inativa a enzima cereblon, importante nos primeiros meses de vida para a formação dos membros.
Por um longo tempo, a Talidomida foi associada a um dos mais horríveis acidentes médicos da história. Por outro lado, estão em estudo novos tratamentos com a talidomida para doenças como o cancro, câncer de medula e, já há algum tempo, para a lepra .
Útil em doenças, como lúpus, alívio dos sintomas de portadores do HIV, diminuição do risco de rejeição em transplantes de medula e artrite reumatóide, a talidomina é indicada em cerca de 60 tratamentos. .
Em 2012, a Gruenenthal, empresa produtora da talidomida pediu desculpas pelos danos causados.
 fontes: Wikipédia e uol.com.br

POR QUE A NEVE É BRANCA?

ALÔ PESSOAL!!!!!!!!
Voces estão voltando de férias e antes de iniciar nossas revisões para o ENEM  e vestibulares, vamos ver esse assunto, que pode ser uma questão, ou dissertação, uma vez que nevou em várias localidades do sul do país, neste ano.

E a neve veio...

22 de julho de 2013 

As fotos são do repórter Mateus Schuch, da Rádio Gaúcha Serra, que está em São José dos Ausentes.

Uma das razões pela qual várias pessoas adoram a neve é porque ela envolve tudo com uma camada de gelo clara e "pura". No fim de ano é muito comum ouvir falar em "Natal Branco". Há até mesmo uma canção de mesmo nome que toca várias vezes nesse período. Mas, se você pensar sobre isso, pode parecer estranho que a neve seja branca, já que ela não passa de um monte de cristais de gelo grudados uns aos outros. Então de onde vem essa cor característica?
Para entender de onde vem a cor branca, primeiro precisamos ver por que coisas diferentes têm cores distintas. A luz visível é composta por várias freqüências diferentes de luz. Nossos olhos detectam freqüências diferentes como cores distintas. Objetos diferentes têm cores distintas porque partículas específicas (átomos e moléculas) que formam o objeto possuem freqüências de vibração diferentes. Basicamente, os elétrons da partícula irão vibrar em uma certa freqüência em resposta à energia, dependendo da freqüência da energia. No caso da energia luminosa, as moléculas e os átomos absorvem uma determinada quantidade dessa energia dependendo da freqüência da luz, e depois emitem essa energia absorvida na forma de calor. Isso significa que alguns objetos absorvem mais determinadas freqüências de luz do que outros.
Duas coisas diferentes podem acontecer com as freqüências de luz que não foram absorvidas. Em alguns materiais, quando uma partícula emite novamente os fótons, eles continuam a passar para a partícula seguinte. Nesse caso, a luz viaja por todo o material, então ele é transparente. Na maioria dos materiais sólidos, as partículas emitem novamente a maior parte dos fótons não absorvidos para fora do material, então nenhuma luz (ou pouca luz) passa pelo objeto, o que o torna opaco. A cor de um objeto opaco é apenas a combinação da energia luminosa que as partículas do objeto não absorveram.
Então, como a neve é água congelada e todos nós sabemos que a água congelada é transparente, por que a neve tem uma cor característica? Para entender isso, precisamos voltar e observar um único cubo de gelo. O gelo não é transparente, na verdade ele é translúcido. Isso significa que os fótons de luz não atravessam o material em uma linha reta - as partículas do material alteram a direção da luz. Isso acontece porque as distâncias entre alguns átomos na estrutura molecular do gelo estão próximas do nível dos comprimentos de ondas da luz, o que significa que os fótons de luz irão interagir com as estruturas. O resultado é que o caminho do fóton de luz será alterado e ele sai do gelo por uma direção diferente da que entrou.
A neve é um monte de cristais de gelo colocados ao lado uns dos outros. Quando um fóton de luz entra em uma camada de neve, ele passa por um cristal de gelo no topo, que altera um pouco a direção do fóton de luz e o envia para um outro cristal de gelo, que faz a mesma coisa. Basicamente, todos os cristais rebatem a luz ao redor para que ela saia do monte de neve. Acontece a mesma coisa com todas as freqüências de luz diferentes, então todas as cores de luz são rebatidas para fora. As "cores" de todas as freqüências no espectro visível combinadas igualmente se tornam a cor branca, então essa é a cor que vemos na neve, embora não seja a cor que vemos nos cristais de gelo individuais que a formam. 
fonte: ciencia.hsw.uol.com.br

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Fazendo a vida ser interessante